quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

A mensagem é sempre a mesma, mas às vezes se torna incompreesível. Os corações se endurecem e não conseguem mais pensar em nada, senão em si mesmos.
É a festa da doação, do sair de si e expor-se sem reservas ao próximo necessecitado. Éramos necessitados de vida, e a Vida se encarna por nós. A possuímos em abundância, porque o dom sem limite não se reservou ao encarnar-se, mas quis que todos, sem distinção, fossem plenos da vida, que é Ele próprio.
Sei que Deus tem me dado certas graças, e uma delas é poder celebrar os principais mistérios da nossa fé no lugar onde eles aconteceram.Assim é por ocasião da festa que estamos para celebrar, o Natal do Senhor.
Na linda noite de Natal, a mais encatadora de todas as noites, estarei junto com o presbitério da Terra Santa e de todo o mundo, celebrando na Basílica da Natividade o Natal do Senhor. Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada. Mas dizei uma palavra e serei salvo!
 Envie seu pedido de oração para a missa que será celebrada na gruta do nascimento de Jesus, no dia de Natal:
E-mail: weslleypaixaoo@hotmail.com
Quero rezar por você e pedir ao Menino Jesus que Ele lhe ceda um pequeno lugar na sua mangedoura. Que ali deitados, Ele venha a acariciar seu coração e lhe dar uma graça muito especial nesse Natal...assim sendo, não será mais um Natal, mas o Natal passado junto com Menino, na sua mangedoura, ao lado de Maria e José e de todos os homens de boa vontade.
Façamos da manjedoura de Belém o lugar de encontro nesse Natal, cientes que ali nos encontraremos, e ali passaremos essa noite encantadora, juntos como irmãos e como Igreja, reunidos em torno da Inocência Encarnada, do Verdo Eterno, agora homem como nós para enaltecer a nossa natureza e nos tornar dígnos de um dia participarmos de seu eterno reino.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Nossa Senhora da Imaculada Conceição - 08 de Dezembro

Mais do que memória ou festa de um dos santos de Deus, neste dia estamos solenemente comemorando a Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Rainha de todos os Santos.

Esta verdade reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos Padres e Doutores da Igreja oriental ao exaltar a grandeza de Maria, Mãe de Deus, tinham usado de expressões como: cheia de graças, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

A Igreja ocidental que sempre muito amou a Santíssima Virgem tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Foi o franciscano Duns Scoto no séc. XIII, quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois era Maria destinada a ser mãe do seu Filho. Isso era possível para a Onipotência de Deus, portanto, Deus, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Graças a Deus, rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria no seio de sua mãe Sant'Ana foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina de Labouré, pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração:

"Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós". E quatro anos depois que a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma em 1854: "Maria isenta do pecado original".

A própria Virgem na sua aparição em Lourdes, confirmou a definição dogmática e fé do povo dizendo para Santa Bernadete e para todos nós: "Eu Sou a Imaculada Conceição". 


Virgem Imaculada...rogai por nós! 

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Foi realizada a Novena de Santa Luzia - Paróquia São Sebastião

Foi realizada a santa Novena e festa de Santa Luzia. Vários Fiéis estiveram presentes. Santa Luzia 
Rogai por nós!   

domingo, 4 de dezembro de 2011

Equipe Pandas - Gota de Água Benta


Acesse este Link!
Doe!
Compartilhe!
Tenha Jesus em seu coração!


Tempo do Advento.

A palavra "advento" quer dizer "que está para vir". O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor

O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.

Esse Tempo possui duas características: As duas últimas semanas, dos dias 17 a 24 de dezembro, visam em especial, a preparação para a celebração do Natal, a primeira vinda de Jesus entre nós. Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para a segunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo, Salvador e Senhor da história, no final 
dos tempos. Por isto, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.


Há relatos de que o Advento começou a ser vivido entre os séculos IV e VII em vários lugares do mundo, como preparação para a festa do Natal. No final do século IV na Gália (atual França) e na Espanha tinha caráter ascético com jejum abstinência e duração de 6 semanas como na Quaresma (quaresma de S. Martinho). Este caráter ascético para a preparação do Natal se devia à preparação dos catecúmenos para o batismo na festa da Epifania. Somente no final do século VII, em Roma, é acrescentado o aspecto escatológico do Advento, recordando a segunda vinda do Senhor e passou a ser celebrado durante 5 domingos.
Só após a reforma litúrgica é que o Advento passou a ser celebrado nos seus dois aspectos: a vinda definitiva do Senhor e a preparação para o Natal, mantendo a tradição das 4 semanas. A Igreja entendeu que não podia celebrar a liturgia, sem levar em consideração a sua essencial dimensão escatológica.

O Advento recorda a dimensão histórica da salvação, evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão e nos insere no caráter missionário da vinda de Cristo. Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor. Jesus que de fato se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel. Deus que, ao se fazer carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna próximo o Reino (Mc 1,15) . O Advento recorda também o Deus da revelação, Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação mas cuja consumação se cumprirá no "dia do Senhor", no final dos tempos. A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão.

No Advento, precisamos nos questionar e aprofundar a vivência da pobreza. Não pobreza econômica, mas principalmente aquela que leva a confiar, se abandonar e depender inteiramente de Deus (e não dos bens terrenos), que tem n'Ele a única riqueza, a única esperança e que conduz à verdadeira humildade, mansidão e posse do Reino.