terça-feira, 28 de julho de 2015

Como discernir a vocação sacerdotal?


Frases do Papa Francisco sobre importância dos avós

Desde o início do seu pontificado, Papa Francisco sempre se lembra dos idosos e dos avós em seus discursos. Muitas vezes, dirigiu-lhes palavras de encorajamento, recordando sua importante missão nas famílias e no mundo de hoje.
Às vésperas do dia dos avós, celebrado neste domingo, 26, juntamente com o dia de São Joaquim e Sant’Ana, os avós de Jesus, reunimos algumas dessas falas de Francisco. São reflexões do coração do Santo Padre que muito dizem sobre a importância dos avós na família e no mundo. Confira:
Respeito
“Um povo que não respeita os avós é um povo sem memória e, consequentemente, sem futuro.”
Família
“Os avós na família são os depositários e, muitas vezes, testemunhas dos valores fundamentais da vida. A tarefa educativa dos avós é sempre muito importante e torna-se ainda mais, quando, por várias razões, os pais não são capazes de assegurar uma presença adequada ao lado dos filhos durante a idade do crescimento.”
Dom para a Igreja
“Quando estive nas Filipinas, o povo filipino me saudava dizendo “Lolo Kiko” – isso é, vovô Francisco – “Lolo Kiko”, diziam! (…) Queridos avós, é um grande dom para a Igreja, a oração dos avós e dos idosos!”
Santuário espiritual
“Os avôs e as avós formam o “coro” permanente de um grande santuário espiritual, onde a oração de súplica e o canto de louvor apoiam a comunidade que trabalha e luta no campo da vida.”
Avós e os jovens
“Como é ruim o cinismo de um idoso que perdeu o sentido do seu testemunho, despreza os jovens e não comunica a sabedoria de vida! Em vez disso, como é bonito o encorajamento que o idoso consegue transmitir ao jovem em busca do sentido da fé e da vida! É realmente a missão dos avós, a vocação dos idosos.”
Poder da oração
“A oração dos idosos e dos avós é um dom para a Igreja, é uma riqueza! Uma grande injeção de sabedoria também para toda a sociedade humana: sobretudo para aquela que está muito ocupada, muito presa e distraída. Alguém deve, então, cantar, também para eles, cantar os sinais de Deus, proclamar os sinais de Deus, rezar por eles!”
Palavras dos avós
“As palavras dos avós têm algo de especial para os jovens. E eles sabem disso. As palavras que a minha avó me entregou por escrito, no dia da minha ordenação sacerdotal, eu as levo ainda comigo, sempre, no breviário, e as leio e me faz bem.”
Experiência de vida
“Aos avós que receberam a bênção de verem os netos, foi confiada a tarefa de transmitir a experiência de vida, a história da família e partilhar com simplicidade a sabedoria e a fé, que é a herança mais preciosa.”
Avós por perto
“Bem-aventuradas as famílias que têm os avós próximos! O avô é pai duas vezes e a avó é mãe duas vezes.”
papa
Avós: grande tesouro
“Os avós são um tesouro. A memória de nossos antepassados leva à imitação da fé. A velhice, às vezes, é feia por causa das doenças e de todo o resto, mas a sabedoria de nossos avós é a herança que recebemos.”
Transmissão da fé
“Rezemos por nossos avós e avôs, os quais, muitas vezes, tiveram um papel heroico na transmissão da fé em tempos de perseguição. Quando nossos pais não estavam em casa, ou tinham ideias estranhas como as que a política ensinava naquela época, foram as avós a nos transmitir a fé”
Benção para os avós
“Confio à proteção de Sant’Ana e São Joaquim todos os avós do mundo, dirigindo-lhes uma bênção especial. A Virgem Maria que, segundo uma bela iconografia, aprendeu a ler as Sagradas Escrituras sobre os joelhos da mãe Ana, os ajude a alimentar sempre a fé a esperança nas fontes da Palavra de Deus.”

Leitura Orante.

LEITURA ORANTE:

A leitura orante da Bíblia, portanto, torna-se um meio, um instrumento
para aprofundar o que Deus quer da minha vida dia após dia, é um exercício que me ajuda, aos poucos, a interiorizar as mesmas atitudes e comportamentos que foram do próprio Jesus, que obedeceu ao Pai até o último momento da sua existência.

A coisa mais importante será encontrar um tempo durante o dia, para dedicar-se à leitura e à meditação da Palavra de Deus. O lugar pode ser a igreja ou até mesmo um quarto da casa ou um lugar sossegado, como nos sugere o próprio Jesus quando nos diz: “... quando orares, entra no teu quarto e, fechando a tua porta, ora ao teu Pai que está lá, no segredo...”. (Mt 6,6)

O texto a se refletir ou meditar pode ser o Evangelho ou a leitura do dia, ou qualquer leitura da Bíblia que relate uma vocação, um chamado a partir de Abraão, os profetas... até chegar ao Novo Testamento, com a vocação de Maria, os apóstolos etc...

INICIANDO

Antes de começar a “lectio divina”, fazer um momento de silêncio pensando que vou encontrar o Senhor. Peço a Deus perdão pelas minhas ofensas porque a pureza do coração e a humildade são características fundamentais para entrar na leitura do texto bíblico.

Num segundo momento, coloco-me na presença de Deus, rezo um Pai Nosso tentando olhar-me como Deus me olha. No fim, peço ao Pai o dom do Espírito Santo porque a Bíblia é um livro inspirado por Deus e, portanto, deve ser lido e interpretado com a ajuda do Espírito Santo.

PRIMEIRO PASSO: A leitura do texto
A leitura consiste em alimentar-se da Palavra. Ela deve ser feita com atenção, com serenidade, sem subestimar o que pode parecer secundário, interpretando corretamente o sentido histórico. É importante ler e reler o texto, tentando compreender o que se acabou de ler, procurando questionar-se sobre o sentido das palavras e prestando atenção sobre o que elas querem nos dizer.

SEGUNDO PASSO: A meditação
Através da meditação se examina a Palavra, se guarda no coração como fez Maria, que “conservava cuidadosamente todos os acontecimentos e os meditava no seu coração” (Lc 2,19).

O objetivo deste passo é chegar ao conhecimento da verdade que está contida na Palavra. O termo usado por muitos autores aqui é “mastigar e ruminar” o texto bíblico para aprofundar e penetrar nas palavras e mensagens. Atrás de cada palavra está o Senhor que me fala.

Aqui é importante recordar outros passos bíblicos paralelos, a compreender e confrontar o texto com a minha vida ou com experiências do passado, estimular o desejo de saber o que Deus quer de mim...

TERCEIRO PASSO: A oração
Vou ofertar na oração o que a leitura e a meditação do texto me fizeram conhecer e desejar. Neste momento falo com o Senhor de amigo para amigo sobre aquilo que o Espírito me inspirou.

A oração, portanto, se torna uma entre as possíveis respostas ao apelo do Senhor, é uma reação que segue ao toque que Deus operou no meu coração através da sua Palavra.

E assim a Palavra de Deus se torna uma Luz para o meu caminho, é algo que orienta os meus passos, o meu viver. Conforme estou vivendo a minha vida, posso pedir neste diálogo com Deus que Ele me oriente, posso pedir-lhe perdão pelas minhas ofensas, louvá-lo e agradecê-lo.

Se estiver pensando no meu futuro, posso aproveitar deste momento para pedir-lhe Luz necessária para fazer a sua vontade e encontrar o caminho que Ele desde sempre traçou para mim.

O que somos sem Jesus?


Todos os dias passamos por várias dificuldades, problemas que nos deixam tristes, com várias dúvidas e às vezes com depressão. E somente nas horas difíceis procuramos a ajuda de Jesus. Isso infelizmente não deveria acontecer, pois sempre temos que ter Jesus em nosso coração 24 horas por dia. Colocar nossas vidas na mão Dele.

Então que nunca possamos deixar Jesus de lado e recorrer a Ele somente quando vier alguma dor.  Sem Jesus não somos absolutamente nada. Nunca desista dos seus propósitos e objetivos sempre pedindo a ajuda do nosso Salvador.  Coloque Jesus Cristo em seu coração todos os dias!

Sem Jesus Cristo, não somos nada!

Papa: confissão não é juízo, mas encontro com Deus

A confissão não é um “juízo”, mas um “encontro” com um Deus que perdoa e esquece todos os pecados: em síntese, foi o que disse o Papa na homilia pronunciada esta manhã, durante a Missa presidida na Casa Santa Marta.
O “trabalho” de Deus é reconciliar, disse Francisco, comentando o trecho de Paulo aos Hebreus, no qual o Apóstolo fala da “nova aliança” estabelecida pelo Senhor com o seu povo eleito.
“O Deus que reconcilia”, afirmou o Papa, escolhe enviar Jesus para restabelecer um novo pacto com a humanidade e o fundamento deste pacto é o perdão. Um perdão que tem muitas características:
“Antes de tudo, Deus perdoa sempre! Não se cansa de perdoar. Somos nós que nos cansamos de pedir perdão. Mas Ele não se cansa de perdoar. Quando Pedro perguntou a Jesus: “Quantas vezes eu devo perdoar? Sete vezes?” – “Não sete vezes: setenta vezes sete”. Isso sempre. Deus perdoa assim: sempre. Se você viveu uma vida de muitos pecados e, no final, um pouco arrependido, pede perdão, Deus perdoa imediatamente! Ele perdoa sempre”.
E mesmo assim, a dúvida que poderia surgir no coração humano é sobre o “quanto” Deus está disposto a perdoar. Pois bem, repetiu Francisco, basta “arrepender-se e pedir perdão”: “não se deve pagar nada”, porque “Cristo já pagou por nós”. O modelo é o filho pródigo da parábola que, arrependido, prepara um discurso a fazer ao seu pai, o qual, por sua vez, não o deixa nem mesmo falar, mas o abraça e o beija:
“Não existe pecado que Ele não possa perdoar. Ele perdoa tudo. ‘Mas, padre, eu não me confesso porque aprontei muito, mas tanto, que não receberei o perdão…’ Não. Não é verdade. Perdoa tudo. Se você estiver arrependido, ele perdoa tudo. Quando… eh, muitas vezes não o deixa falar! Você começa a perdir perdão e Ele lhe faz sentir aquela alegria do perdão antes que você termine de contar tudo”.
E outra coisa, continuou o Papa: quando perdoa, Deus “faz festa”. E finalmente, Deus “esquece”. Porque o que importa para Deus é “encontrar-se conosco”. E aqui, Francisco sugere um exame de consciência aos sacerdotes dentro do confessionário. “Estão dispostos a perdoar tudo?”, “a esquecer os pecados daquela pessoa?”. A confissão, concluiu, “mais do que um juízo, é um encontro”:
“Muitas vezes, as confissões parecem um procedimento, uma formalidade : Tudo mecânico! Não! Onde está o encontro? O encontro com o Senhor que reconcilia, que abraça e faz festa? E este é o nosso Deus, tão bom. Devemos também ensinar: que as nossas crianças, os nossos jovens aprendam a se confessar bem, porque confessar-se não é ir a uma lavanderia para retirar uma mancha. Não! É ir ao encontro do Pai, que reconcilia, que perdoa e faz festa”.
Por Rádio Vaticano

As Vocações

1 - VOCAÇÃO LAICAL: É a vocação de todo batizado.

Sua origem está nos sacramentos do Batismo e da Crisma.
Sua missão é formar comunidade, transformar o mundo e melhorar a qualidade de vida das pessoas, assumindo uma profissão específica.
São os portadores do amor de Jesus Cristo no meio da família e da sociedade.

O fiel cristão leigo pode ser solteiro, casado ou consagrado no meio do mundo.

Casar ou ficar solteiro é uma opção de vida.

Existe, ainda, a consagração a Deus no meio do mundo.

Essa consagração pode ser individual e espontânea ou num Instituto Secular.

Existem no Brasil muitos Institutos Seculares masculinos e femininos. Essa vocação é uma forma mais livre de se consagrar a Deus, exercendo uma profissão específica. 



2 - VOCAÇÃO RELIGIOSA: 

Essa vocação é assumida por pessoas que se sentiram chamadas por Deus a doarem suas vidas por uma causa.

Trata-se da consagração a Deus assumindo os votos de pobreza, castidade e obediência, ingressando numa Congregação ou Ordem Religiosa.

Os religiosos e religiosas são os sinais visíveis do amor de Jesus Cristo pela sua Igreja e pelo mundo.

As congregações religiosas são mais de oitocentas (masculinas e femininas) e todas têm um carisma específico, deixado pelos fundadores.

As Congregações masculinas podem ser apostólicas e contemplativas.

As apostólicas estão inseridas nas atividades da Igreja, no meio da sociedade e do mundo. Atuam junto às paróquias, escolas, doentes, crianças, jovens, migrantes, pobres...

As contemplativas reproduzem a dimensão de Cristo "orante". São as pessoas chamadas a viverem nos mosteiros nos mais variados estilos. 

A maioria das congregações tem padres e irmãos ou freis consagrados.

Algumas congregações têm exclusivamente irmãos.

As Congregações femininas também podem ser ativas ou contemplativas.

As religiosas se consagram a Deus e são chamadas de Irmãs. Juntamente com os votos de castidade, obediência e pobreza, as irmãs dedicam suas vidas ao carisma a que se sentiram chamadas.

A Igreja Católica possui também muitos Institutos de Vida Apostólica.



3 - VOCAÇÃO SACERDOTAL

Jesus Cristo continua chamando pessoas para darem continuidade ? sua obra de amor, a construção do reino de Deus. 

A vocação sacerdotal é um dom de Deus para a Igreja e para o mundo.

O diácono, o padre e o bispo recebem da Igreja o "sacramento da ordem".

Um jovem para ser padre deve ingressar num seminário e estudar, a partir do segundo grau, as faculdades de filosofia e teologia. 

O Brasil possui cerca de 16.500 sacerdotes diocesanos e religiosos. Ultimamente o número de seminaristas tem aumentado graças ao trabalho de conscientização feito pela Pastoral Vocacional.

O que é Ano Litúrgico?

Ano Litúrgico

Ano Litúrgico é a celebração da vida de Jesus Cristo ao longo do ano. A cada ano, os cristãos revivem as etapas mais importantes da vida de nosso Senhor: seu nascimento, a morte, ressurreição, ascensão e o envio do Espírito Santo... No ano civil, somos orientados pelas estações (primavera, verão, outono, inverno) e pelas festas cívicas (carnaval, Tiradentes, Independência... ). No ano Litúrgico nossa caminhada de fé é marcada pelos movimentos fortes da vida do Senhor.

A expressão "Ano Litúrgico" começou a ser usada no século XIX, quando surgiu o Movimento Litúrgico. A liturgia foi coroada no Concílio Ecumênico Vaticano II, com a constituição "SACROSANCTUM CONCILIUM". O modo de como se organiza o Ano Litúrgico pode ser por tempos:

1. Tempo do Advento: 4 Domingos antes do natal;
2. Tempo do Natal: até o batismo do Senhor;
3. Tempo da Quaresma: 5 Domingos mais a Semana Santa;
4. Tempo Pascal: da Páscoa até Pentecostes;
5. Tempo Comum: 34 Domingos assim distribuídos - da festa do batismo do Senhor até o início da Quaresma; de Pentecostes até o 34º Domingo Comum.

Por isso, a cada Domingo que nos encontramos na Santa Missa Recebemos a Santidade de Cristo como fonte de graça, além de aprender a ser santo com Palavra de Deus.

Não dá mais para voltar - Padre Jonas Abib


Oração de São Francisco de Assis


Papa apoia esforços de combate ao HIV/AIDS

O Papa Francisco enviou uma mensagem para a 8ª Conferência da Sociedade Internacional da AIDS, sobre HIV Patogênese, Tratamento e Prevenção, que aconteceu esta semana em Vancouver, no Canadá. Por meio do Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, o Pontífice expressou sua estima pelo trabalho desenvolvido pela Associação.
Francisco declara-se satisfeito pelos muitos progressos feitos na prevenção e no tratamento da AIDS, particularmente com os medicamentos antirretrovirais. Para ele, as vidas que foram salvas, seja com a redução do número de infecções, seja com a melhor qualidade de vida dos infectados, testemunham os benefícios que se podem conquistar quando todos os setores da sociedade se unem num objetivo comum.
O Pontífice faz votos de que se encontre mais meios para que os frutos da pesquisa e os medicamentos disponíveis cheguem a um número cada vez maior de pessoas em todo o mundo, especialmente às crianças órfãs.
Orações
O Santo Padre garantiu a todos os participantes as suas orações, na esperança que os avanços na farmacologia, no tratamento e na pesquisa sejam acompanhados por um “compromisso firme para promover o desenvolvimento integral de cada pessoa como um filho amado de Deus “.
A carta de Francisco, lida na abertura do evento, foi dirigida ao diretor do Centro de HIV/AIDS do Hospital São Paulo, em Vancouver, e Co-Presidente da Conferência, doutor Julio Montaner.
O Hospital é uma instituição de inspiração católica, fundada pelas Irmãs da Providência, e tem-se distinguido para demonstrar que o diagnóstico precoce e o tratamento de pessoas vivendo com o HIV não só salva vidas, mas também é 96% eficaz na prevenção da propagação da doença.
Números
Especialistas internacionais acreditam que poderiam debelar o HIV como emergência de saúde até 2030, se pelo menos 90% de todas as pessoas infectadas fossem corretamente diagnosticadas e tivessem acesso ao tratamento antirretroviral.
Em seu discurso de abertura da Conferência, o Diretor-Executivo do UNAIDS (o Programa para o HIV/AIDS da Organização Mundial da Saúde), Michel Sidibé, comemorou o fato de que 15 milhões de pessoas agora estão recebendo o tratamento, mas lembrou aos participantes que outros 22 milhões ainda não têm acesso a estes medicamentos e que muitos deles não sabem nem mesmo que estão infectados.
Por Rádio Vaticano

Jovens consagrados terão encontro mundial no Vaticano

Jovens vocacionados à vida consagrada participarão, em setembro, de um encontro internacional no Vaticano. Dos dias 15 a 19, eles vão discutir temáticas relacionadas ao anúncio do Evangelho, profecia e esperança, dentro do contexto do Ano da Vida Consagrada.
O encontro – “Despertai o mundo!” – é promovido pela Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que tem como prefeito o cardeal brasileiro João Braz de Aviz. Como público, estão os jovens que se encontro no período imediatamente anterior ao noviciado, na fase de discernimento sobre a vocação e até dez anos desde a incorporação perpétua ou definitiva nos institutos e nas congregações.
1202_perpetualVowsO objetivo do evento é viver uma experiência de formação, através de um aprofundamento bíblico, teológico-carismático e eclesiológico dos elementos fundamentais da vida consagrada, além de oferecer um espaço de partilha da própria realidade, dos desejos e das expectativas formativas. Sem esquecer de celebrar e testemunhar a vitalidade da vocação religiosa.
Estão previstos alguns momentos comunitários, que serão realizados durante as manhãs na Sala Paulo VI. Na parte da tarde e à noite, serão realizados alguns encontros segundo os diferentes grupos linguísticos: italiano, francês, inglês, espanhol e português, voltados a restituir, celebrar e testemunhar. O programa prevê aprofundamentos, escuta de testemunhas, diálogo com e entre os jovens.
Na programação também constam encontros abertos a todos, como a Vigília de Oração, na terça-feira 15 de setembro, às 20h30, na Praça de São Pedro, e a missa conclusiva, no sábado 19 de setembro, às 11h30, na Basílica de São Pedro.
Por Rádio Vaticano

Divulgadas as intenções de oração do Papa para agosto

papa rezandoNesta segunda-feira, 27, foram divulgadas as intenções de oração do Papa Francisco para o mês de agosto.
O pontífice confiou ao Apostolado da Oração os seguintes propósitos: intenção Universal: “Para que aqueles que colaboram no campo do voluntariado se entreguem com generosidade a serviço dos mais necessitados.”
Intenção para a Evangelização: “Para que, saindo de nós mesmos, saibamos fazer-nos próximos daqueles que se encontram nas periferias das relações humanas e sociais.”
Por Rádio Vaticano